segunda-feira, 17 de novembro de 2008

O que Steven Spilberg pode fazer, que você tendo o Espírito Santo de Deus, não pode fazer melhor?

Infelizmente, a busca por “um lugar ao sol” está na maioria das vezes ligada a empresas, organizações governamentais ou não, indústrias, carteira assinada, multinacionais, e esta busca está também dentro do coração e da mente da maioria do povo de Deus. Jamais podemos esquecer que o único que pode nos dar estabilidade é Jesus, e que só Ele é Senhor e, Nele é que está a nossa garantia, e por intermédio dEle, nós que somos filhos é quem devemos dar garantia a nossa nação, industria, empresas, organizações, e não o inverso. Assim cabe-nos um questionamento, afinal qual o papel do cristão dentro deste contexto sócio econômico? Lembro-me da preleção de uma executiva de televisão e cinema dos EUA, chamada Déborah Bartled que em um seminário em Nassau nas Bahamas, disse: - O que Steven Spilberg pode fazer, que você tendo o Espírito Santo de Deus, não pode fazer melhor? - Ela dizia que muitos evangélicos se apresentavam para fazer algum programa de televisão e quando ela avaliava a preparação, equipamentos, e capacidade, encontrava na maioria um grande improviso, imaturidade gerencial, indisciplina, despreparo. O mercado de trabalho sempre estará aberto para pessoas que se dispõe a ser e fazer a diferença. Precisamos diferenciar o fato de ser a diferença, de ser o diferente, o estranho do grupo, muitos erram e até se afastam do propósito ensinado por Cristo de sermos a luz do mundo e o sal da terra (Mateus 5: 14,15) , quando tornam-se “os estranhos” do grupo, não se misturam deixando a nítida impressão, de ser melhor, especial, o dono da verdade, sendo quase intocável, criticam a todos e, estão sempre prontos para apontar comportamentos inadequados, e assim são considerados pelas organizações como pessoas críticas, antisociais, esquisitas mesmo. Ser a diferença é o oposto de tudo isto, o não se misturar, é não participar de intrigas, fofocas, roubos seja de objetos e ou de tempo, como por ex.: ficar batendo papo na internet no horário de trabalho. Ser diferente, é ter sempre uma palavra de consolo, conforto e ajuda, para aquele colega, que tentou te passar a perna meses atrás, ser diferente é, nunca chegar atrasado, a não ser por motivo justo, é fazer além da sua obrigação, é ser feliz e educado sempre, independente das circunstâncias, esta é algumas das diferenças que Jesus espera dos seus filhos. Ainda posso me lembrar do dia em que estava ministrando uma reunião para desempregados em nossa comunidade, quando ao final do encontro vindo em minha direção um senhor estendeu um envelope com listas de dezenas de oportunidades de trabalho para serem divulgadas. Perguntei-lhe: - O senhor é membro de nossa igreja? Respondeu-me: - Não, sou católico! É que o diretor da empresa me mandou aqui porque gostou muito das pessoas que foram encaminhadas daqui, e abriu novas oportunidades. Então pensei comigo mesmo. É, o povo de Deus está fazendo a diferença por lá mesmo!
Prof. José Campos: Escritor, Docente local do Instituto Haggai, Professor em Liderança Cristã e Relações Interpessoais, ex-Diretor de Reinserção Social no Governo de Minas Gerais.
Dra Carla S. Campos: Mestre em Teologia, Psicóloga Clínica, Escritora, Palestrante, Ex-Diretora da Federação Aquática Mineira. Ambos, membros da Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário