sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Prazer

“Os lábios da mulher imoral podem ser tão doces como o mel, e os seus beijos, tão suaves como o azeite.” Pv 5:3

Um pai tem a enorme responsabilidade de ensinar a seu jovem filho sobre as conseqüências do pecado. Esta não é uma tarefa fácil, já que o pecado sempre se mostra tão doce e suave. O que este pai e autor do livro faz é descrever o futuro do modo mais detalhado possível. Para que seu filho escolha sabiamente o pai fala do gosto, do cheiro, do tato, das emoções, tanto dos resultados finais do pecado, como dos resultados da retidão.

É verdadeira sabedoria esta capacidade de perceber as conseqüências do que fazemos, para então tomar a decisão correta. Infelizmente nós somos cada vez mais pessoas do presente, do aqui e agora, e nos deixamos enganar pelo prazer imediato de palavras doces e beijos que amolecem.

O pastor luterano Richard Wurmbrand, preso em cadeias da Romênia comunista, escreveu que ao ser tentado dizia a si mesmo: sim, posso fazer isso, mas o que acontecerá depois? E forçava sua mente a ver as conseqüências de suas decisões até perder o interesse pelo prazer imediato do pecado. Boa idéia para colocarmos em prática!

Feliz ano novo para evangelizar

Nenhum comentário:

Postar um comentário