terça-feira, 31 de março de 2009

Realizador de Sonhos


Edson de Godoy Bueno, presidente da Amil, iniciou uma grande virada em sua vida e na trajetória de sua empresa com base num plano em que previa ações detalhadas entre 1995 e 2000.

“Não podemos deixas as coisas ao acaso.Devemos estar preparados para agarrar as chances.Você tem de olhar para o curto prazo, mas sua visão de longo prazoé o que vai dizer aonde você quer chegar”, diz o empresário.

Os sonhos de Godoy Bueno tem sido verdadeiros alvos móveis. Aos 15 anos, em 1958, sonhou ser médico. Queria cursar a Escola de Medicina da Praia Vermelha. Aos 27 anos, em 1970, seu desejo era ter um hospital, a Casa de Saúde São José, erguida em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Aos 34 anos, em 1977, sua meta era criar a Amil. Onze anos mais tarde, seu objetivo era transformá-la no melhor plano de saúde do Brasil. Em 1996, passou a se dedicar a outro sonho: fazer a Amil a melhor empresa de saúde do mundo. “Quem pára de sonhar está morrendo”, afirma esse “mercador de sonho”, segundo o qual as pessoas deveriam trazer dentro de si uma enzima provocada e desafiadora, a “insatisfatina”, que as impedisse de se acomodar dentro de sua zona de conforto. “Jamais permita que suas glórias sejam maiores que seus sonhos”, ensina o empresário.

O organograma de sonhos de Godoy Bueno entre 1959 e 200 dividia-se em dois blocos: empresa/negócio/profissional e meta pessoal/familiar. No primeiro, o objetivo era transformar a Amil numa multinacional – e o caminho para atingi-lo consistia em desenvolver outras pessoas. O empresário programou 23 ações para cinco anos, algumas específicas para gerentes executivos, outras voltadas aos demais colaboradores e um terceiro grupo, que tinha em vista a comunidade empresarial. Godoy Bueno pretendia colaborar com sua comunidade e seu país realizando palestras e criando a Escola Amil de Administração.

No segundo bloco, o alvo era o crescimento pessoal. Estabeleceu 31 ações, divididas em estudos culturais como Antropologia, Música, Arte e Ecologia, habilidades para compreender o ser humano, manutenção do, família, relação com o universo e lançamento de um livro.

Godoy Bueno atribui muito do seu sucesso a esse plano de vida. Depois de organizar suas metas, passou a delegar tarefas e ganhou tempo para assuntos estratégicos. Uma das metas que traçou para a Amil inspirou-se no ex-presidente Juscelino Kubitschek: “Fazer trinta anos em cinco”. Conseguiu superá-la. Em 1984, a Amil faturava apenas 2,8 milhões de dólares. Em 1987 alcançava 29 milhões. Em 2002, seus negócios chegaram a 800 milhões de dólares.

Recentemente, uma gigante do ramo de seguro saúde tentou comprar a Amil por uma soma aparentemente irrecusável. Godoy Bueno resistiu. “Você vai vender seu sonho? Eu não quis vender o meu!!!”

Faça seu comentário!

Nenhum comentário:

Postar um comentário