quarta-feira, 8 de junho de 2011

AD CARDOSO INVESTINDO NA EQUIPE DE LOUVOR

Há cinco aspectos que devemos considerar sobre o que um pastor deve oferecer à equipe de louvor de sua igreja. A seguir, listo cada uma delas na tentativa de descrevê-las com a maior precisão possível.

VISÃO

Provérbios 29:18 diz: “Se não existe visão, as pessoas perecem”. Isso é verdade, especialmente para equipes de louvor, pois são chamados para dar às pessoas visão para se conectarem com Deus através da adoração. Visão deve conter uma figura clara ou descrição do que adoração deve ser. Isso poderia incluir:

a. visual

a equipe modela ligação com Deus, paixão, humildade e a ausência da mentalidade performática;

b. interpessoal

pastores devem passar a visão para sua equipe de ser uma família feita de pessoas honestas, que apóiam uns aos outros, perdoam, servem e são rápidos para resolver conflitos;

c. musical

o pastor deve ter uma visão que combine excelência musical e espontaneidade;

d. caráter

o pastor deve comunicar suas expectativas em relação ao caráter das pessoas que participam da sua equipe tais como: pureza, humildade e serviço.

ENCORAJAMENTO

É importante que o pastor encoraje os líderes de louvor e a equipe. Eles devem repassar qualquer comentário positivo que escutam das suas congregações e dizer o quanto eles contribuem no impacto total da igreja. Orando com o líder e a equipe para animá-los em seus desafios.

Também pode dar a eles confiança que precisam para colaborar com os líderes pastorais e não apenas providenciando uma “introdução musical” para a pregação.

RETROSPECTIVA

É importante que o pastor comunique à equipe, e especialmente ao líder, sua avaliação sobre o período de adoração. Músicos se tornam muito inseguros quando eles não sabem se o pastor os aprecia ou não. Fazer avaliações construtivas é a maneira primária para encorajar a melhora da adoração e corrigir algo que esteja atrapalhando o momento do louvor congregacional.

AUTONOMIA

Pessoas envolvidas na adoração precisam de liberdade para tomar decisões, arriscar e liderar a congregação — e não apenas providenciar a música que o pastor mandar. Conforme confiança e relacionamento crescem, isso incluiria deixar que o líder de louvor determine a lista de músicas e dar liberdade para estender o período de louvor quando ele sente que as pessoas estão profundamente conectadas a Deus. Incentive-o também a trazer alguma exortação para a igreja — desde que de maneira equilibrada e com compaixão —, a orar pela congregação e a falar para as pessoas sobre a importância da adoração — sem ser chato e repetitivo, obviamente.


RELACIONAMENTO

A equipe de louvor precisa saber que não são “empregados”, mas pessoas apreciadas pelo pastor e servos de Deus. Pastores normalmente não conseguem pastorear cada pessoa da equipe de louvor, mas pequenas atitudes como um abraço no domingo, interesse sobre a família e palavras de afirmação realmente dizem muito e apóiam lideres de louvor e membros de equipes. Por fim, é importante que o pastor desenvolva uma comunicação consistente com sua equipe, deixando claras suas expectativas e afirmações. Mesmo que pensemos que as pessoas entendem o que queremos e o quanto que as apreciamos, silêncio raramente comunica isso.

Joel Balin é pastor da Crossbridge Church in Marietta, Atlanta (EUA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário