segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A HISTÓRIA DE JOSÉ DO EGITO

Ministração do Pr. Paulo Philla no Culto de Domingo dia 02 de Outubro na AD Cardoso no texto: Gn. 37.1 a 11.
A família de José.
Falar bem resumidamente sobre a família de José, de acordo com os versículos lidos.

1- Os sonhos de José.
José teve sonhos que eram revelações e promessas de Deus para sua vida. Nessa parte pode-se falar sobre os “sonhos” do jovem, seus projetos para a vida, para a profissão, para o casamento, para a família, para o ministério, etc, e principalmente sobre os propósitos de Deus para cada um.

2- As tribulações de José.
Destacar o contraste entre o plano de Deus e a realidade aparente. A história de José parecia tomar um rumo totalmente oposto aos seus sonhos. Suas experiências seguintes são: o poço, a escravidão, a acusação de adultério e a prisão. Ao invés de melhorar, a situação de José parecia piorar cada vez mais. Entretanto, ele estava sendo conduzido para o lugar onde Deus queria levá-lo. Cada tribulação fazia com que ele chegasse mais perto do propósito final. Muitas vezes Deus não nos fala diretamente, mas nos conduz através das circunstâncias.

3- A fidelidade de José.
Entre a promessa e a conquista existem duas palavras que interferem: tribulação e tentação. As duas coisas muitas vezes se misturam. Isso esteve presente também na história de Israel entre a promessa da terra e a conquista da terra. As tribulações podem nos fazer enfraquecer diante da tentação, mas José não se deixou levar por isso. José foi tentado pela mulher de Potifar, mas não se contaminou com ela. Nessa parte, destaque as tentações do mundo sobre a vida do jovem. José foi fiel em todo lugar e em toda situação. O cristão deve ser exemplar, mesmo que seja na prisão ou no trabalho ou “no fundo do poço”.

4 - A vitória de José.
Finalmente, José chegou ao governo do Egito. Seu caminho foi árduo mas as promessas de Deus se cumpriram em sua vida. Nessa parte, destaque as vitórias que o cristão terá na vida e a sua glorificação final quando Jesus voltar. Isso pode ser comparado com a entrada de Israel em Canaã. Porém, só entraram aqueles que foram fiéis durante a travessia do deserto.

Pr. Paulo Philla, Líder Geral da UMADCI - AD Campo de Itapevi 

Nenhum comentário:

Postar um comentário