terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Como é que um herege como Agostinho pode ter tido tanta influência não só sobre católicos mas também sobre muitos protestantes?

É assustadora a quantidade de heresias introduzidas ou potencializadas por Agostinho:
  1. que Maria teria nascido e vivido sem pecado, sendo que a Bíblia afirma que, exceto Cristo, todos os seres humanos pecaram (Romanos 3.23);
  2. que existe um purgatório, sendo que a Bíblia não encoraja a idéia de uma segunda oportunidade após a morte (Mateus 25.11-13; Apocalipse 20.11-15), pois "aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" (Hebreus 9:27). E nem muito menos encoraja uma idéia de salvação através do próprio sofrimento ou obras (Efésios 2.8-10, Tito 3.4-5 e Hebreus 10.12). Sabemos que Jesus disse ao Ladrão arrependido: "hoje mesmo estarás comigo no Paraíso" (Lucas 23.39-43), portanto, tal indivíduo que viveu uma vida de pecado, encontrou a graça salvadora na hora de sua morte e, ao morrer, não foi conduzido para um purgatório a fim de purificar-se dos seus pecados, mas ao Paraíso, pois se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça baseado no sacrifício de Cristo em favor dos pecadores (1 Jo 1.9); Após a morte, será tarde de mais para o pecador, pois é aqui e agora o dia da salvação (2 Coríntios 6.2);
  3. que o sacramento do batismo salva, sendo que o ritual exterior de nada serve se não for acompanhado do lavar regenerador do Espírito Santo (Tito 3.5). E o ladrão arrependido da cruz não teve tempo de ser batizado e nem por isto deixou de entrar no Paraíso (Lucas 23.39-43);
  4. que fora da Igreja Católica não há salvação, tal pretensão exclusivista é refutada pelo próprio Cristo no episódio em que seus discípulos queriam proibir um grupo estranho de seguidores de Cristo de exercerem seu ministério: "'Mestre', disse João, "vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos. 'Não o impeçam', disse Jesus. 'Ninguém que faça um milagre em meu nome, pode falar mal de mim logo em seguida, pois quem não é contra nós está a nosso favor'" (Marcos 9:38-40). A igreja não existe para si mesma e os discípulos de Jesus não foram enviados para fazerem discípulos de si mesmos, mas discípulos de Cristo! Outra coisa a ser questionada é se a Igreja Católica é realmente uma fiel seguidora de Cristo e se está de fato firmada na doutrina dos Apóstolos;
  5. que a autoridade da Igreja está acima daquela da Bíblia, sendo que os verdadeiros seguidores de Cristo, cheios do Espírito Santo, são aqueles que perseveram na doutrina bíblica dos Apóstolos, como diz as Escrituras: "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações" (Atos 2:42). Pois “toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” (2 Timóteo 3:16). Por esta razão é que o Apóstolo Paulo exorta ao Bispo Timóteo: "E as coisas que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar a outros" (2 Timóteo 2:2);
  6. que o Papa é infalível quando se pronuncia ex cathedra, "mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema" (Gálatas 1:8);
  7. que Deus predestinou uns para o céu e outros para o inferno, quando as Escrituras afirmam que a graça salvadora foi manifesta a todos os homens, pois o desejo dele é que todos sejam salvos: Tito 2.11; 3.4; Hebreus 2.9; 1 João 2:2; João 1. 7-9; 3.16-19; 6.40; 8.13; 12.32; 2 Co 5.15; Mateus 4:16; 1Timóteo 2.4-6; Atos 2.21; 17.30; 26.16-18; Romanos 1.16; 3.22. E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10:34); "Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas" (Colossenses 3:25);
  8. que sexo é pecado até mesmo dentro do matrimônio e que o pecado é transmitido hereditariamente através das relações sexuais, sendo que a Bíblia afirma: "venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará" (Hebreus 13:4). Deus criou o homem e a mulher, macho e fêmea, para que eles pudessem ter relações sexuais dentro do santo estado do matrimônio que foi instituido por Deus ainda no tempo da inocência, ou seja, antes da queda (Genesis 1.26, 27; 2.18-25). Paulo diz que é doutrina de demônios proibir casamentos por enxergar a prática do sexo pecaminosa mesmo entre marido e mulher (1 Timóteo 4.1-3). Sexo não existe apenas para procriação, de modo que marido e mulher tem o direito de desfrutarem do prazer sexual (Provérbios 5.19; Cantares 7.6 e 12; 1 Coríntios 7.33, 34).
  9. que o pecado está na carne e que o homem só pode ser liberto do domínio do pecado quando se libertar da carne através da morte, idéia de influência gnóstica e que os calvinistas costumam também endossar, o que implica em dizer que a morte é mais poderosa do que Jesus, pois somente ela nos libertará do domínio do pecado. Mas não é isto que o Apóstolo Paulo ensina em Romanos 6 e que também encontramos em inúmeras outras passagens bíblicas que falam do novo nascimento que nos confere um novo coração que nos capacita a vencer o pecado;
  10. Além de tudo isto, Agostinho era anti-semita, fomentando ódio e perseguição aos judeus. Mas Deus é amor e qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele" (1 João 3:15) e "se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?" (1 João 4:20). Na Parábola do Bom Samaritano, Jesus ensina que nosso próximo deve ser até mesmo aquele que pertence a um grupo hostilizado como o era o dos samaritanos (Lucas 10.33). Jesus é o Príncipe da Paz! Jesus veio destruir as obras de Satanás. Jesus derrubou a parede de separação entre judeus e gentios. Jesus veio acabar com a inimizade (Efésios 2.14-16). Os que em nome de Cristo semeiam o ódio são de fato filhos do diabo e não de Deus (João 8.44).

Como é, então, que um herege destes pode ter tido tanta influência não só sobre católicos mas também sobre muitos protestantes?

Sabe, Agostinho conquistou uma influência política muito grande dentro da igreja. Sendo um bispo africano, ele exerceu um papel fundamental no combate ao donatismo que era um grupo muito forte no norte da África e que, naquela época, protestava contra diversos erros da Igreja Romana, buscando autonomia. Não que eu endosse todas os ensinos deles, mas apenas reforço que a questão principal que motivou tamanha perseguição era muito mais política do que doutrinária.

Agostinho foi muito bem sucedido neste feroz combate, o que praticamente extinguiu o donatismo. Por esta razão, Roma tornou-se muito grata e devedora a ele. Isto explica como é que Pelágio acabou sendo condenado, após sua morte, no concílio de Cártago, quando já havia sido em vida julgado e absolvido em dois outros concílios.

Como a Igreja Romana caçava e destruía todos os escritos dos condenados como hereges, não temos quase nada a respeito de Pelágio a não ser a visão oficial que é extremamente tendenciosa. Pode muito bem ser o caso de que os ensinos de Pelágio fossem originalmente mais bíblicos do que da forma como são apresentados pelos registros oficiais da história, que diz que ele negava a doutrina da expiação e que julgava que o homem era naturalmente capaz de viver uma vida de santidade semelhante a de Cristo, pregando, assim, a salvação pelas obras. Mas apenas porque o Pelagianismo não é ortodoxo não necessariamente significa que o Agostinianismo deve ser comparado com o autêntico Cristianismo do Novo Testamento.

Como é que se deu a influência de Agostinho sobre o protestantismo? Bem, como a queixa principal de Lutero era contra a cobrança de taxas para conceder o perdão aos pecadores, ele busca convencer o Papa apoiando-se não apenas nas Escrituras, mas também em um renomado teólogo católico que é o Santo Agostinho, cujos ensinos favorecem a idéia da salvação pela graça e não pelas obras. Tal simpatia por Agostinho acaba abrindo brecha para a aceitação de algumas de suas demais teses, como a predestinação. E o reformador Calvino segue como discípulo de Agostinho até mesmo no que diz respeito a perseguição e morte dos hereges.

Creio que o contexto de Lutero e Calvino explicam um pouco o apego deles aos ensinos de Agostinho, o que dava uma base sólida para os protestantes dentro da própria tradição católica. Lutero começou crendo em predestinação absoluta, mas, convicto de que Deus deseja a salvação de todos os homens, acabou finalmente convencendo-se que ela é condicional, assim como o fazem os arminianos.

Armínio e Wesley se levantam para combater a doutrina da predestinação, mas mantém que a salvação é produto da graça e não das obras, demonstrando que não é preciso admitir a predestinação para defender a salvação pela graça. Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

Eu partilho da opinião de Barth que não vê na predestinação uma predeterminada separação feita entre os homens, e não entende a eleição como uma eleição particular, como a entendia Calvino. A predestinação leva o homem a uma crise, no momento da revelação e da decisão. Ela o condena na relação em que, por natureza, ele se acha com Deus, como pecador, e nessa relação o rejeita, mas o escolhe na relação à qual ele é chamado em Cristo, e para a qual ele foi destinado na criação. Se o homem reage positivamente à revelação de Deus, pela fé, ele é o que Deus tencionava que fosse: um eleito; mas se reage negativamente, continua sendo um reprovado. Mas, desde que o homem está sempre em crise, o perdão incondicional e a rejeição completa continuam a aplicar-se simultaneamente a cada um. Esaú pode tornar-se Jacó, mas Jacó pode tornar a ser Esaú. A idéia é que Deus nos escolheu em Cristo antes da fundação do mundo para sermos santos (Ef 1.4). Em Cristo o homem encontra o destino traçado por Deus para a humanidade: "Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2). A predestinação é condicional à fé em Cristo.
Sugiro que assistam a esta excelente palestra que revela os bastidores do calvinismo: http://www.youtube.com/watch?v=iNBRXiuLMsE
 
Bispo Ildo Mello

Nenhum comentário:

Postar um comentário