domingo, 17 de fevereiro de 2013

Orgulho !


Os homens desejam e precisam sentir-se bem a seu próprio respeito. O que poderia ser mais natural e mais benéfico do que sentir-se bem a seu próprio respeito – ter uma autoimagem boa?
Mas quando sentir orgulho da nossa posição ou realizações torna-se pecado?
O orgulho é o pecado da comparação no qual comparamos nossas qualidades aos defeitos do outro sujeito.
Para que nos sintamos melhor, rebaixamos as outras pessoas, às vezes verbalmente e às vezes apenas mentalmente.
A maneira mais fácil de desprezar os outros é escolher pessoas de menor estatura e realização.
E é particularmente fácil escolher os defeitos das outras pessoas para comparar às nossas qualidades.
O pecado sutil do orgulho engana todo cristão.
O mais invisível dos pecados, o orgulho, se infiltra na vida cristã como a água flui suavemente para dentro do fosso que cerca o castelo de areia na praia.
Nenhum esforço é necessário de nossa parte para obtê-lo, mas toda a nossa força é exigida para mantê-lo afastado.
EXISTE MAIS DE UM TIPO DE ORGULHO?
Orgulho do Tipo 1
A solução para o tipo apropriado de orgulho é não nos compararmos a outros.
Em vez de testar o nosso autovalor comparando-nos aos outros, somos encorajados a nos auto examinar.
A Bíblia se impõe como a medida padrão contra a qual nos medimos.
Orgulho do Tipo 2
É o sentimento espúrio de superioridade que persegue os cristãos.
Por os cristãos que andam próximos de Deus terem vidas mais corretas do que alguns, é fácil desprezar os outros de menos espiritualidade.
“O orgulhoso está sempre olhando coisas e pessoas de cima para baixo; e, naturalmente, enquanto você estiver olhando para baixo, não poderá ver algo que esteja acima de si”. C.S. Lewis
Lc 18.9 Lc 18.14
Por comparar-se ao cobrador de impostos, o líder religioso elevou-se às custas de outro, comparando-se a um homem fraco em vez de a um Deus forte.
Quando você e eu nos comparamos orgulhosamente a outros homens, por que escolhemos aquele que não é tão amoroso como marido, ou o sujeito que viaja muito e não passa tanto tempo com os filhos quanto nós?
Escolhemos os defeitos nos outros porque o orgulho é o pecado no qual comparo as minhas qualidades aos defeitos do outro homem.
DOIS TIPOS DE HUMILDADE
Da mesma forma que existem dois tipos de orgulho, existem dois tipos de humildade.
Rm 12.3
Humildade do Tipo 1
É simplesmente não pensar “de si mesmo além do que convém”
O homem humilde não menospreza os outros.
Ele pode ser orgulhoso e humilde ao mesmo tempo, orgulhoso de si mesmo sem comparar-se aos outros e humilde por não pensar de si mesmo além do que convém.
A Humildade do Tipo 2 é o oposto do Orgulho do Tipo 2. - Autodepreciação
Se eu comparar os meus defeitos às suas qualidades, acabarei com uma autoimagem negativa.
A auto reprovação é um veneno estafante, nocivo ao espírito e à mente. Conquanto pensar de si mesmo além do que convém seja prejudicial, pensar menos de si mesmo aprisionará a alma.
MANTENDO O EQUILÍBRIO CERTO
Cada um de nós caminha pela barra de equilíbrio Orgulho/ Humildade.
Não menosprezamos os outros, mas testamos as nossas ações, e nos orgulhamos sem nos comparar a outros.
Não pensamos de nós mesmos além do que devemos, mas pensamos sobriamente bem de nós mesmos segundo a nossa fé.
Todos os homens têm a tendência a tornarem-se satisfeitos e esquecerem-se de quem Deus é e do que ele tem feito por nós.
Dt 8:12-14
Outra causa do Orgulho do Tipo 2 é a ausência do temor de Deus.
O temor do Senhor é odiar o mal, ser consumido com reverência por Deus.
Deus é amor, mas ele também é santo e justo.
O homem deve adorar a Deus com reverência e santo temor, “porque o nosso Deus é fogo consumidor”.
Hb 12:29
Mas o temor de Deus é a reverência que damos ao Deus Todo-Poderoso porque ele tem o poder e a autoridade para nos dar o que na verdade merecemos.
O temor de Deus conserva o homem humilde; a ausência do temor de Deus leva ao Orgulho do Tipo 2.
Nossa Maior Qualidade É o Nosso Maior Defeito
O que é uma qualidade no trabalho pode ser um defeito em casa.
Da mesma forma, quando nos tornamos confiantes em nossa jornada cristã, essa qualidade pode tornar-se um defeito se nos compararmos aos outros.
O Orgulho do Tipo 2 é mais uma tentação para os cristãos do que para os descrentes.
Devido à nossa busca de uma vida moral, podemos olhar e ver como a nossa moralidade é superior à dos que nos cercam.
Quanto mais retos nos julgarmos, maior o potencial para nos tornarmos orgulhosos.
Deus prefere um pecador humilde a um homem religioso cheio de orgulho.
Cristo veio para introduzir uma nova ordem – a de amarmos aos nossos próximos como a nós mesmos – sem pensar a respeito das pessoas em uma hierarquia social.
Um sintoma de orgulho é uma indicação garantida – criticar constantemente os outros.
Em nenhum outro lugar isso é tão prevalente quanto na comunidade cristã.
Os homens estão constantemente a julgar a condição espiritual dos outros homens com base em aparências externas.
Os homens constantemente expressam opiniões a respeito de por que algumas pessoas são bem-sucedidas enquanto outras não o são.
O rebaixamento de homens cristãos que não são bem-sucedidos pelos padrões do mundo ou a suspeita dos que são não têm fim.
Mt 7.1-3
Quando eu for severo ao julgar os outros, os outros serão severos para comigo. Como esse princípio funciona?
É assim que a coisa funciona. Se você for afável para com os outros, eles serão afáveis para com você.
Se for cáustico para com os outros, eles não perderão nenhuma oportunidade de dizer aos outros como você é grosseiro.
ORGULHO. UM PECADO DE TRANSIÇÃO
O orgulho é o primeiro dos sete pecados capitais (Pv 6:16-19).
O orgulho é fonte de outros pecados.
Através do canal do orgulho, os homens passam aos pecados de um coração duro.
O orgulho é o patriarca do pecado do homem.
O orgulho pode levar à discórdia, ciúme, presunção, altivez, ostentação, acessos de raiva, inveja, arrogância, espírito independente, ódio, farisaísmo, atitude condenatória e atitude hipócrita.
Jesus desprezava a hipocrisia e achava repugnante o coração orgulhoso dos fariseus.
O exemplo de Cristo para nós foi a humildade, e devemos ter a mesma atitude que a dele.
Deus resiste ao soberbo mas dá graça ao humilde.
Não devemos ser orgulhosos mas dispostos a nos associar a pessoas de posição inferior, e não devemos ser presunçosos.
O Orgulho do Tipo 2 é o caminho que leva a tempos difíceis.
O orgulho do homem o faz cair.
Antes de uma queda, o coração fica orgulhoso.
O orgulho vai adiante da destruição e o espírito altivo adiante da queda. A desgraça é um produto derivado do orgulho.
O Orgulho do Tipo 2 resiste à revelação.
Ficamos cegos ao orgulho porque é difícil enxergar à luz fraca das sombras.
O orgulho é sutil.
Perder a paciência ou deixar-se ficar pensando em mulheres na vida mental secreta são pecados altamente visíveis.
Todos nós somos culpados de orgulho e devemos pedir a Deus que nos torne humildes para que não soframos as consequências do orgulho: desgraça, destruição, queda e oposição “a nossos planos da parte de Deus.
Somente uma cirurgia radical removerá de nossos corações essa enfermidade destruidora da alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário