segunda-feira, 22 de abril de 2013

O Segredo de Uma Orquestra


Por Robert J. Tamasy
Talvez você seja uma pessoa bem realizada, que recebe reconhecimento de sua empresa pelo seu desempenho. Já recebeu promoções, seu nome é destacado em reuniões e tem mais placas e certificados do que sua parede pode conter.
Mas talvez não seja o caso. Você trabalha duro, se esforça para fazer seu melhor, mas reconhecimento - se e quando você o recebe – é bem raro. A maioria de nós se encaixa nesta categoria. Enquanto “astros” de elevado desempenho e altos executivos recebem aclamação geral, muitos labutam na obscuridade.
Talvez ocasionalmente até mesmo escorreguemos na autopiedade, imaginando que diferença faz o trabalho que realizamos ou se alguém realmente se importa com o que fazemos. Em tempos assim lembre-se: não é vergonha ser herói não celebrado, alguém que não é notado. Na verdade, heróis não celebrados são os que mantêm as coisas funcionando.
Você já machucou uma de suas articulações, torcendo um joelho ou deslocando um dedão? Passei por ambas. Antes disso nunca tinha pensado sobre meu joelho esquerdo ou dedão direito. Porém, quando a dor no joelho era como se uma agulha longa tivesse sido enfiada nele, ou quando tentava o simples gesto de virar a maçaneta da porta com a mão direita, fiquei agudamente consciente de ambos. Articulações sadias e funcionais não são notadas.
Pense em uma orquestra. Quando tocados harmoniosamente, os instrumentos não se destacam individualmente, a menos que o músico faça um solo. Fora disso, se você notar um violino ou flauta, saiba que algo está errado. Esta é a razão por que a maioria das pessoas não recebe atenção com frequência no ambiente de trabalho. Como um antigo chefe certa vez me disse: “Se você não tiver notícias minhas, deduza que tudo está correndo bem”. Isso não traz segurança para os que necessitam ser estimulados, mas é a realidade no mundo profissional e empresarial. Quem faz mais barulho, recebe toda a atenção.
Mas como reagimos quando nos sentimos desconsiderados e não valorizados? A Bíblia oferece algumas sugestões:
Lembre-se que faz parte de uma unidade maior. Mesmo quando não estamos sendo destacados por um desempenho exemplar, podemos ter certeza de sermos importantes para o esforço geral. O coração não pode funcionar sem cérebro ou pulmões e vice-versa. “Se todo o corpo fosse olho, onde estaria a audição? Se todo o corpo fosse ouvido, onde estaria o olfato? De fato, Deus dispôs cada um dos membros no corpo segundo a Sua vontade... Assim, há muitos membros, mas um só corpo” (I Coríntios 12.12-20).
Reconheça que precisamos uns dos outros. Assim como o empreendimento como um todo necessita de nossa contribuição, nós nos beneficiamos e devemos apreciar as contribuições dos outros. “É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas... Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade” (Eclesiastes 4.9-12).
Tome consciência de que seu trabalho é importante para Deus. Para usar a analogia da orquestra novamente, às vezes precisamos aceitar que devemos tocar apenas para o Maestro, uma plateia de Um apenas – Deus! É tudo o que precisamos. “Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da herança” (Colossenses 3.23-23).

Nenhum comentário:

Postar um comentário