sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

UM BOM EXEMPLO DE IGREJA


Como a sua igreja gostaria de ser lembrada? Se uma pequena frase a pudesse descrê-la, qual seria?
No Novo Testamento encontramos relatos de várias igrejas. Temos relato da igreja de Corinto, de Éfeso, de Tessalonica, de Roma, mas uma igreja chama a atenção de todos os estudiosos das Escrituras, a igreja de Beréia.
A igreja de Beréia é umas das comunidades que menos temos relatos na Bíblia. Encontramos uma refêrencia a ela em apenas cinco versículos do livro de Atos (Atos 17.110-15). Além deste texto encontramos a menção de dois de seus membros em uma das viagens de Paulo, Sópatro e seu Pai Pirro (At 20.4).

O surgimento desta igreja foi um daqueles "acasos do Senhor", já que aparentemente Paulo não passaria por esta cidade. Ele acabou parando em Beréia, pois fora espulso de Tessalônica.
Era uma igreja pequena, quase desconhecida, pouco falada, mas sempre bem lembrada nas Escrituras. Os poucos dias passados ali impressionaram Paulo e Silas. Mais particularmente quatro atitudes os impressionaram.

A igreja de Beréia teve uma boa atitude em relação a pregação expositiva das Escrituras
A primeira qualidade estava relacionada à atitude que eles tiveram em relação à pregação de Paulo.
“...pois receberam a mensagem...”

A palavra receber demonstra a maneira como reagiram diante da mensagem.
A igreja de Beréia foi marcante, pois recebeu a Palavra e a recebeu bem. O termo aqui usado descrevia o tratamento dado a uma pessoa que era bem recebida em sua casa. Nós sabemos como receber bem alguém ou quando somos bem recebidos. Eles tiveram uma acolhida positiva. As exortações, pregações de Paulo e Silas eram bem recebidas por aquela comunidade.

Receber a Palavra implica em obediência, em não retrucar, em não colocar os seus argumentos acima dos argumentos bíblicos. Implica em não arrumar desculpas, racionalizações para não ouvi-la.

Quantas pessoas hoje em dia saem da igreja porque não concordam com o pastor, pois querem uma pregação mais “ligth”, com menos Bíblia, ou mesmo esperam que não haja pregação, e sim muito louvor. Muitos hoje aceitam outras doutrinas, outros ensinos, mas torcem o nariz para a Palavra de Deus.
A igreja de Beréia foi lembrada por ter uma submissão às Escrituras e à sua exposição publica feita por Paulo e Silas.

Como recebemos as exortações que ouvimos domingo após domingo? Como reagimos à uma exortação amorosa de um irmão em Cristo?
 
A igreja de Bereia demosntrou boa disposição com a mensagem bíblica

A segunda qualidade que se destaca e fez diferença nesta igreja ainda relacionada com a vontade.
No versículo 11 diz que eles receberam com avidez.

A palavra avidez poderia ser traduzida por vontade, disposição, prontidão, desejo, ânsia. Na versão NVI ela foi traduzida assim “com grande interesse”.

Este termo é bem descritivo. Demonstra a vontade em relação à Palavra. Eles tinham interesse, disposição para aprender. Os encontros na sinagoga de Beréia para estudar a Bíblia foram tremendamente compensadores, tanto para Paulo e Silas, quanto para os ouvintes, pois havia interesse, boa vontade. Creio que isso os impressionou.

Aqueles irmãos não somente receberam bem as Escrituras, como tinham grande disposição em aprender.

Não ficavam entediados porque Paulo passara do horário, porque não tinha nenhuma animação, video ou coisa, parecida, antes, pelo contrário, tinham um grande desejo de aprender a Palavra de Deus. Quando encontramos pessoas assim, ficamos muito animados.
Como reagimos diante das exortações que ouvimos domingo, após domingo? Temos interesse, vontade de aprender, ou ficamos pensando no horário, observando as roupas que as outras mulheres vestem, no jogo de futebol, ou até mesmo na pizza que iremos comer mais à noite.

Aqueles crentes se reuniam e seu interesse era somente um: As Escrituras. A vontade de aprender da Palavra de Deus.

A igreja de Beréia estudava as Escrituras
A terceira característica desta igreja mostra o que eles faziam com o ensino ministrado na Palavra de Deus. O texto bíblico nos diz que eles se reuniam para examinar as Escrituras.

Mais uma vez, encontramos uma palavra bem descritiva. O verbo examinar era um termo legal, usado para descrever uma investigação, ou quando um juiz examina um caso.

A postura daqueles irmãos era comparável a um juiz diante de um caso, um detetive que cuidadosamente estuda as pistas, as provas que tem em mãos. Isto exige tempo, reflexão, disposição, vontade, determinação.

Aqueles homens se destacavam pelo grande interesse que tinham com a Palavra de Deus, não somente por sua leitura, mas no estudo cuidadoso e acurado da mesma.
Eles não se contentavam com as trivialidades, mas no estudo criterioso. E sabemos que todo estudo, todo bom estudo leva tempo para ser feito.

O que chama a atenção é que eram pessoas comuns, não somente os líderes que tinham este interesse, mas a comunidade como um todo.

Infelizmente hoje em dia são poucos os que tomam tempo no estudo das escrituras. Alguns imaginam que este livro é um livro para profissionais, um livro para alguns. Alguns dizem que há coisas muitos difíceis na Bíblia.

Realmente há e o próprio Pedro reconhecia isto ao dizer que há coisas que Paulo escreveu que são difícieis (2Pe 3;15-15), porém ele mesmo disse mais adiante: 2Pe 3.18 – “cresçam na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus”

Certa vez o pastor Jayro Caceres disse em uma de suas mensagens: “não há nenhuma virtude na falta de conhecimento das Escrituras”. Em todos os lugares da Palavra, somos exortados a estudarmos as Escrituras. Todos os autores bíblicos nos falam desta importância.

A igreja de Beréia era constante em seu estudo da Bíblia
A quarta característica esta relacionada ao tempo. A constância também foi marcante para aqueles irmãos.

Os judeus tinham o costume de se reunir nas sinagogas uma vez por semana, aos sábados, para adorarem a Deus e estudarem as Escrituras. Eram encontros semelhantes aos nossos com algumas diferenças. Por isso que Paulo, sempre que visitava uma cidade procurava uma sinagoga, pois ali sabia que haviam pessoas que estavam estudando as Escrituras.
Mas aquelas pessoas de Beréia fugiram à regra de uma sinagoga comum e resolveram reunir-se todos os dias para este trabalho. Deixaram prioridades, gostos, diversão, descanso, para examinar a Palavra de Deus. Não sabemos se era em casa ou na sinagoga mesmo, mas eles dedicavam um tempo diário para isso.

Esta constância mostra o interesse que eles tinham pela Palavra e pelo aprendizado. Talvez imaginassem que Paulo não passaria muito tempo ali, então queriam aproveitar bem sua presença para aprender o quanto pudessem.

É interessante notar por que eles estudavam as Escrituras. Para conferir os ensinos de Paulo, não para questionar, mas para aprender. Eram criticos, não querendo achar algum erro em seu ensino, mas criteriosos.
Aqueles homens se destacavam pelo estudo constante das Escrituras.

Quando revisamos algo que aprendemos, temos a oportunidade de agredir muito mais. Há uma frase que diz que a repetição é a mãe da sabedoria. Aqueles irmãos entenderam que o tempo gasto no aprendizado das Escrituras não seria tempo desperdiçado.

Talvez não tenhamos a mesma oportunidade de nos reunirmos todos os dias na igreja para aprender da Palavra, mas temos muitos recursos que não haviam naquela época. Livros, luz elétrica, espaço, coisas que muitos deles não tinham, confortos que nos permitem nos reunir, ou mesmo estar sozinhos para estudar a Bíblia. De várias formas podemos aprender. Estudando sozinho ou em grupos, nos reunindo para aprender mais da Bíblia.

Podemos adquirir o hábito de anotar sermões para estudarmos em casa durante a semana. Ou mesmo adquirir fitas que são gravadas aqui na igreja de mensagens.

Como a sua igreja gostaria de ser lembrada?
Como uma igreja que canta bem, que tem belas pessoas? Como uma igreja que tem boas acomodações? Uma igreja que tem muitos membros?
Ou como a igreja de Beréia, com sua postura diferenciada em relação a Palavra de Deus.
“Certa vez, um famoso pastor americano viajava de trem e à sua frente ia um seminarista que lia uma revista semanal, enquanto ele estava lendo o livro de Romanos. O estudante o reconheceu e lhe perguntou como poderia comunicar com a mesma eficiência que ele. O pastor lhe respondeu:
- Meu rapaz, enquanto você estiver lendo esta revista mais do que lê este livro, terá mais conhecimento dela do que dele.”
Da mesma forma, nossa postura em relação a Bíblia está intimamente ligado ao tempo que gastamos com a mesma. Aqueles crentes foram chamados nobres, por sua postura diante da Palavra, uma postura.
O desafio de estudar a Bíblia é individual, mas os dividendos são eternos.
 
fonte: Biblioteca Evangélica

Nenhum comentário:

Postar um comentário